sexta-feira, 8 de maio de 2015



PROPOSTA DE REDAÇÃO

Os textos abaixo contêm algumas informações sobre distúrbios alimentares. Leia-os com atenção e tome-os como base para refletir e redigir uma dissertação em prosa, argumentando de maneira convincente, sobre o tema: ALIMENTOS: DOCES VENENOS OU ESCAPISMO PERIGOSO apresentando experiência ou proposta de ação social que respeite os direitos humanos. Selecione, organize e relacione, de forma coerente e coesa, os elementos da dissertação.
DISTÚRBIO   ALIMENTARES EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES
Os distúrbios alimentares em crianças e adolescentes causam sérias mudanças nos hábitos alimentares que podem levar ao mesmo risco de vida e problemas de saúde.
Os três principais tipos de distúrbios alimentares são:
·         Anorexia, uma condição na qual a criança se recusa a comer quantidades adequadas de calorias de um medo intenso e irracional de ficar gordo
·         Bulimia, um estado em que uma criança come compulsivamente e depois retira a comida por vómito ou usa laxantes para evitar ganho de peso
·         Compulsão alimentar, uma condição na qual uma criança pode engordar rápidamente, (não vomita)
Em crianças e adolescentes, os transtornos alimentares podem se sobrepor. Por exemplo, algumas crianças alternam entre períodos de anorexia e bulimia.
Os distúrbios alimentares geralmente desenvolvem-se durante a adolescência ou início da idade adulta. No entanto, eles podem começar na infância, também. As mulheres são muito mais vulneráveis. Somente cerca de 5% a 15% das pessoas com anorexia ou bulimia são do sexo masculino. Com compulsão alimentar, o número sobe para 35% do sexo masculino.
O que causa distúrbios alimentares?
Os médicos não têm certeza do que causa distúrbios alimentares. Eles suspeitam que uma combinação de, comportamentos, sociais e factores biológicos. Por exemplo, os jovens podem ser influenciados por imagens culturais que dão a entender que a magreza é ser saudável.
Muitas crianças e adolescentes com transtornos alimentares luta com um ou mais dos seguintes problemas:
·         angústia
·         medo de se tornar obesa
·         sentimentos de desamparo
·         baixa auto-estima
Para lidar com estas questões, as crianças e os adolescentes podem adotar hábitos alimentares prejudiciais.
De fato, os distúrbios alimentares, muitas vezes caminham lado a lado com outros problemas psiquiátricos:
·         transtornos de ansiedade
·         depressão
·         abuso de substâncias
Os perigos dos distúrbios alimentares
Os distúrbios alimentares em crianças e adolescentes pode levar a uma série de graves problemas físicos e até morte. Se você notar qualquer um dos sinais dos transtornos alimentares listados abaixo, chame o seu médico imediatamente. Os distúrbios alimentares não são superadas através de força de vontade. O seu filho vai precisar de tratamento para ajudar a restaurar o peso normal e os hábitos alimentares. O tratamento também aborda questões psicológicas subjacentes. Lembre-se que os melhores resultados ocorrem quando os distúrbios alimentares são tratados em estágios iniciais.
Instruções:
• O rascunho da redação deve ser feito no espaço apropriado.
• O texto definitivo deve ser escrito à tinta, na folha própria, em até 20 linhas.
• A redação com até 7 (sete) linhas escritas será considerada “insuficiente” e receberá nota zero.
• A redação que fugir ao tema ou que não atender ao tipo dissertação argumentativa receberá nota zero.
• A redação que apresentar cópia dos textos da Proposta de Redação ou do Caderno de Questões terá o número de linhas copiadas desconsiderado para efeito de correção.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

VOCÊ SABE QUAIS AS COMPETÊNCIAS PARA A REDAÇÃO DO ENEM?
 
ENTÃO, LEIA ISTO:

Competência 1 – Demonstrar domínio da modalidade escrita formal da Língua Portuguesa.
Nesse quesito, os avaliadores irão averiguar como o candidato distingue as diferenças entre a modalidade oral e a modalidade escrita da Língua Portuguesa. Como assim? Por esta competência, os corretores irão ver se você não mistura as duas formas na Redação Enem e, além disso, se sabe empregar a modalidade correta para o Enem. Conseguiu entender?
Na hora em que você estiver escrevendo a sua Redação Enem  procure ser claro, objetivo e direto, além de ter um vocabulário diferenciado e rico. Fora isso, existe alguns requisitos básicos que precisam ser seguidos no texto dissertativo-argumentativo (aquele que a Redação Enem pede, lembra?):
1-      Ausência de marcas de oralidade e de registro informal (como “aí”, “opa”, “supimpa”…)
2-      Precisão vocabular (use palavras dicionarizadas, nada de querer falar bonito e inventar palavras que nem existem, ok?)
3-      Obediência às regras gramaticais de:
  • Concordância nominal e verbal (plural-singular ou feminino-masculino dos nomes, além dos verbos, claro!)
  • Regência nominal e verbal (essa matéria pega muita gente, estudar um pouquinho sobre isso te ajudará a passar na frente de muitos candidatos!)
  • Pontuação (pela experiência que o Blog tem em Redação, vimos que pontuação é a maior dificuldade de todos, vai dizer?!)
  • Flexão de nomes e verbos;
  • Colocação de pronomes átonos (dê uma estudada sobre ênclise, mesóclise e próclise!)
  • Grafia das palavras (Não vai escrever “certo” assim, né: SERTO!)
  • Acentuação gráfica (muito importante também!)
  • Emprego de letras maiúsculas e minúsculas;
  • Divisão silábica na mudança de linha (translineação).
Foque abaixo em algumas inadequações do uso linguístico que serão penalizadas na Competência 1 da Redação Enem :
1 – Desvios mais graves:
- falta de concordância do verbo com o sujeito (com sujeito antes do verbo);
- períodos incompletos, truncados, que comprometem a compreensão;
- graves problemas de pontuação;
- desvios graves de grafia e de acentuação (letra minúscula iniciando frases e nomes de pessoas e lugares); e
- presença de gíria.
2 – Desvios graves:
- falta de concordância do verbo com o sujeito (com sujeito depois do verbo ou muito distante dele);
- falta de concordância do adjetivo com o substantivo;
- regência nominal e verbal inadequada (ausência ou emprego indevido de preposição);
- ausência do acento indicativo da crase ou seu uso inadequado;
- problemas na estrutura sintática (frases justapostas sem conectivos ou orações  subordinadas sem oração principal);
- desvios em palavras de grafia complexa;
- separação de sujeito, verbo, objeto direto e indireto por vírgula; e
- marcas da oralidade.
3 – Desvios leves:
- ausência de concordância em passiva sintética (exemplo: uso de “vende-se casas” em vez de “vendem-se casas”); e
- desvios de pontuação que não comprometem o sentido do texto.

Competência 2 – Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo.
Nessa competência da Redação Enem , os avaliadores verificaram se você entendeu o que a proposta de redação pede e, além disso, se você consegue aplicar o seu conhecimento de mundo (como assim?) quando for redigir seu texto dissertativo-argumentativo (entre 8 e 30 linhas, claro!). Não entendeu? Ok, o Blog do Enem simplifica para você: segundo esse quesito, você deve compreender, entender, saber o que a Redação Enem está pedindo que você faça. E mais: quando você for escrever seu texto, deve também usar informações – os argumentos – que você aprendeu, estudou ou captou durante a sua vida em diferentes lugares – na escola, em casa, vendo tevê, lendo jornal, revista, vendo filme, ouvindo música etc. Ok? Bem fácil!
Pra não ter erro, siga algumas recomendações para a elaboração do texto:
a) leia com atenção a proposta da Redação Enem e os textos motivadores (aqueles que aparece na prova para você ler e entender o tema), para compreender bem o que está sendo solicitado;
b) evite ficar preso às ideias desenvolvidas nos textos motivadores, porque foram apresentados apenas para despertar uma reflexão sobre o tema e não para limitar sua criatividade;
c) não copie trechos dos textos motivadores. Lembre-se de que eles foram apresentados apenas para despertar seus conhecimentos sobre o tema. Se copiar, lembre-se que o corretor vai desconsiderá-lo na hora da correção, pois é plágio. Ok?
d) reflita sobre o tema  da Redação Enem proposto para decidir como abordá-lo, qual será seu ponto de vista e quais os  argumentos que vai utilizar para defendê-lo;
e) reúna todas as ideias que lhe ocorrerem sobre o tema, procurando organizá-las em uma estrutura coerente para usá-las no desenvolvimento do seu texto;
f) desenvolva o tema de forma consistente, de modo que o leitor possa acompanhar o seu raciocínio facilmente, o que significa que a progressão textual é fluente e articulada com o projeto do texto;
g) lembre-se de que cada parágrafo deve desenvolver um tópico frasal;
h) examine, com atenção, a introdução e a conclusão para ver se há coerência entre o início e o fim;
i) utilize informações de várias áreas do conhecimento, demonstrando que você está atualizado em relação ao que acontece no mundo;
j) evite recorrer a reflexões previsíveis, que demonstram pouca originalidade no desenvolvimento do tema proposto;
k) mantenha-se dentro dos limites do tema proposto pela Redação Enem , tomando  cuidado para não se afastar do seu foco, ou seja, fugir total ou parcialmente do tema. Esse é um dos principais problemas identificados nas redações.
RELEMBRANDO: caso você esteja em dúvida do que significa texto dissertativo-argumentativo, aqui vai a definição: “O texto dissertativo-argumentativo é um texto opinativo que se organiza na  defesa de um ponto de vista sobre determinado assunto”.
PRESTE ATENÇÃO: para atender às exigências do texto dissertativo-argumentativo da Redação Enem você deve:
1-      Apresentar uma tese (ideia) e as justificativas (argumentos) que defendam o seu ponto de vista;
2-      Utilizar estratégias argumentativas – são recursos que você pode utilizar para desenvolver os argumentos que comprovem a sua tese, tais como: exemplos, dados estatísticos, pesquisas, fatos comprováveis, citações ou depoimentos de pessoas especializadas no assunto, alusões históricas, e comparações entre fatos, situações, épocas ou lugares distintos.
CUIDADO : caso você fuja da estrutura dissertativo-argumentativo, a sua Redação Enem terá nota 0 (zero), mesmo que atenda às exigências dos outros critérios de correção.

Competência 3 – Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista.
 O importante nessa competência da Redação Enem é sua capacidade de compreensão e interpretação acerca do tema proposto e de sua habilidade de argumentar a tese defendida por você. Como o próprio título da competência diz, saber: “Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista”. Tudo isso de forma coerente e inteligível. O leitor precisa entender o seu texto e ser levado a refletir a respeito das ideias nele apresentadas.
Simplificando: você deve saber montar o seu texto coerentemente, de forma lógica, sem confusão, para que sua opinião seja entendida na hora de corrigir. Ok? Além disso, você não pode “ficar em cima do muro” em relação ao tema: deve defender seu ponto de vista, como a própria competência diz.
A inteligibilidade de um texto depende de: relação lógica entre as partes do texto, criando uma unidade entre todas as partes; precisão vocabular; apresentação das ideias de forma lógica; e adequação entre o conteúdo do texto e o mundo real.

Competência 4 – Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários à construção da argumentação.
Todo o texto é um encadeamento lógico de ideias. Cada parágrafo deve estabelecer relação com os anteriores, mesmo que a ideia seja nova. Para que isso ocorra com fluidez, você precisa ter conhecimentos dos recursos linguísticos que garantam a continuidade de um parágrafo ao outro, gerando um texto coeso. A competência 4 da Redação do Enem avaliará tudo isso: estruturação dos parágrafos, estruturação dos períodos e referenciação.
Recomendações para a Competência 4 – estratégias de coesão para se referir a elementos que já apareceram anteriormente no texto da Redação Enem :
a) substituição de termos ou expressões por pronomes pessoais, possessivos e demonstrativos, advérbios que indicam localização, artigos;
b) substituição de termos ou expressões por sinônimos, antônimos, hipônimos, hiperônimos, expressões resumitivas ou expressões metafóricas;
c) substituição de substantivos, verbos, períodos ou fragmentos do texto por conectivos ou expressões que resumam e retomem o que já foi dito; e
d) elipse ou omissão de elementos que já tenham sido citados anteriormente ou sejam facilmente identificáveis.
O que você deve EVITAR na Competência 4 da Redação Enem :
a) frases fragmentadas que comprometam a estrutura lógico-gramatical;
b) sequência justaposta de ideias sem encaixamentos sintáticos, reproduzindo hábitos da oralidade;
c) frase com apenas oração subordinada, sem oração principal;
d) emprego equivocado do conector (preposição, conjunção, pronome relativo, alguns advérbios e locuções adverbiais) que não estabeleça relação lógica entre dois trechos do texto e prejudique a compreensão da mensagem;
e) emprego do pronome relativo sem a preposição, quando obrigatória;
f) repetição ou substituição inadequada de palavras sem se valer dos recursos oferecidos pela língua (pronome, advérbio, artigo, sinônimo).

Competência 5 – Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos.
A última competência da Redação Enem avaliará a sua proposta de intervenção na vida social. Lembrando que a proposta deve contemplar cada ponto abordado na argumentação, mantendo uma relação direta com a tese desenvolvida e coerência com os argumentos utilizados. A coerência será um dos aspectos decisivos na avaliação. A proposta precisa, ainda, respeitar os direitos humanos como: cidadania, liberdade, solidariedade e diversidade cultural.
Uma dica importante é: antes de elaborar a sua proposta, responda a essas duas perguntas: O que é possível fazer? A proposta que pretendo fazer é viável?. Não sugerir nada vago, geral.  Estabeleça uma proposta concreta.
A dica que o Blog do Enem dá é que deixe a proposta, ou solução, para a sua conclusão. Use a introdução para apresentar o problema/tema. Use o desenvolvimento para mostrar os argumentos/informações sobre o problema/tema e faça, na conclusão, sua intervenção, sua solução, sua proposta para o problema/tema.
Será avaliado os seguintes critérios:
a) presença de proposta x ausência de proposta;
b) proposta explícita x proposta implícita;
c) proposta com detalhamento dos meios para sua realização x proposta sem o detalhamento dos meios para sua realização.
Mas, como assim “meios”? Isso mesmo, além de você der uma solução VIÁVEL para o problema que a Redação Enem pede, também deve apresentar os meios para que a solução seja possível. Não adianta escrever que todo mundo deve receber o mesmo salário no Brasil, quando o tema for o problema da pobreza, porque isso não vai funcionar. Melhor pensar direito, refletir e demonstrar uma proposta cabível no cenário atual.

http://blogdoenem.com.br/redacao-enem-competencias/

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014


SE = Índice de indeterminação do sujeito ou Partícula apassivadora

O sujeito indeterminado se dá quando não podemos identificar o sujeito. Isso pode acontecer de duas maneiras:

O verbo está na terceira pessoa do plural
Exemplo:
Levaram meu chinelo
      p.p.
A terceira pessoa do verbo (eles) não identifica com precisão quem é o sujeito.
 A segunda forma é quando o verbo está na terceira pessoa do singular o verbo é transitivo indireto ou intransitivo e soma-se um Índice de Indeterminação do Sujeito (I.I.S.)

Vive      -                   se             bem em João Pessoa
p.s.                       I.I.S.
intransitivo


Precisa       -                         se             de operários
 3ª p.s                                   I.I.S.
trans. Indireto

 

O verbo é intransitivo quando ele não precisa de complemento.
Exemplo:
 

Chorei a noite toda.
 

A mensagem do verbo chorar está completa diferente de:

Teremos felicidade este ano.


O verbo ter apresenta a necessidade de complemento, pois se lermos a oração até o verbo notamos que a mensagem está incompleta, por isso dizemos que o verbo ter é um verbo transitivo direto.

O verbo será transitivo indireto quando este exigir um complemento que precisa ser  preposicionado.


Exemplo:


Necessitamos
                                    de               sua compreensão
verbo trans. Indireto                    preposição
                                                         _____________________________________
                                                                               objeto indireto             

As preposições mais usadas  em um objeto indireto são:  de, para, em, a, com, por.  Bem como as preposições derivadas destas

Quando o verbo estiver na terceira pessoa do singular, mas for
transitivo direto ou transitivo direto e ao mesmo tempo indireto mais a partícula “se”, esta não será Índice de Indeterminação do sujeito e sim partícula apassivadora.

Comprou     -                                   se                   um carro novo.
V. trans. Direto               part. Apassivadora

Como o “se” é partícula apassivadora, então podemos dizer que a oração está na voz passiva sintética e podemos transformar em passiva analítica.

Um carro novo                           foi comprado           por alguém.
Suj. paciente                            locução verbal

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Hoje resolvi postar duas palavras que volta e meia perguntam-me o significado

pró·di·go
(latim prodigus, -a, -um)


adjectivo
adjetivo
adjetivo

1. Que dissipa a fortuna loucamente ou a compromete com gastos excessivos; perdulário, dissipador.
2. Generoso, liberal.
substantivo masculino

substantivo masculino

3. Pessoa pródiga.
4. [Jurídico, Jurisprudência]   [Jurídico, Jurisprudência]  Pessoa que, por sua prodigalidade, pode ser interdita de administrar os seus bens.

pródigos

substantivo masculino plural

substantivo masculino plural

5. [Construção naval]   [Construção naval]  Madeiros verticais ou oblíquos que fortalecem o fundo do navio.

"pródigo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/pródigo [consultado em 22-01-2014].
 
he·do·nis·mo
(grego hedonê, -ês, prazer, alegria, desejo + -ismo)
substantivo masculino
substantivo masculino
Doutrina filosófica que faz do prazer o .objeto da vida.

"hedonismo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/DLPO/hedonismo [consultado em 22-01-2014].

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014





1. (E. S. Propaganda e marketing) “Sorvete Kibon decora sua cozinha. E dá nome às latas”.
Os termos destacados são, respectivamente:
a- ( ) sujeito, objeto direto, objeto indireto
b- ( ) objeto direto, sujeito, objeto indireto
c- ( ) sujeito, objeto indireto, objeto direto
d- ( ) sujeito, sujeito, objeto indireto
e- ( ) objeto direto, sujeito, objeto direto



Alternativa “a”.


2. De acordo com o código à mostra, analise os termos em destaque das seguintes orações:

OD – objeto direto
OI – objeto indireto   

a – Eu acredito em você e não confio em boatos (  ).
b – Ganhamos a partida em tempo recorde (  ).
c – Desejamos-lhe sucesso nesta caminhada (  ).
d – Eu a vi saindo depressa (  ).
e – Continuas persistindo no erro (  ).

OI, OI;
OD;
OI;
OD;
OI.

3.
Diante das orações em evidência, procure analisá-las enfatizando o núcleo do predicado, ou seja, o próprio verbo, e posteriormente responda às questões:
O sol brilhava incessantemente.
Os alunos conquistaram a vitória.
Pensamos em vocês e trouxemos um lanche.

a – Comente sobre a semelhança/diferença existente entre elas no que se refere à transitividade.
b – Na terceira oração detectamos a presença de um conectivo (conjunção) desempenhando a função de ligar uma ideia à outra. Trata-se de oração ou de um período? Qual o sujeito e como ele se classifica? Apresente sua justificativa.   
c – Com referência à primeira oração, há uma particularidade específica que a ela se refere? No caso de uma resposta afirmativa, justifique-a.



a - 1ª oração – verbo intransitivo
2ª – verbo transitivo direto
3ª – verbo transitivo direto e indireto
b – Trata-se de um período, pois há a presença de dois verbos, e quanto ao sujeito, ele classifica-se  como oculto (nós) pela desinência verbal –“mos”; -“emos”.
c – Sim, ao tratar-se de um verbo intransitivo, o mesmo não requer nenhum tipo de complemento. O temo que o complementa é um adjunto adverbial de modo.